19 de maio de 2016

Lifestyle da grama verde

Semana passada eu estava especialmente inspirada e querendo limpar as minhas coisas. Limpeza no sentido literal: água, sabão, desinfetante. Comecei pela minha estante de livros, separei uns exemplares para doação. Depois organizei todas as minhas roupas, separei sapatos e coisas que não usava mais e passei para frente. Limpei os sapatos, tênis e as botas. Esfreguei o chão, limpei os vidros, joguei maquiagem fora, organizei os meus lenços, coloquei as blusas de frio para tomar sol.

Eu lembro que estava me sentindo tão mal por algumas coisas e sentimentos que não me pertenciam. É duro falar para o seu psicológico que todas aquelas neuroses não são reais e, principalmente, não são suas.

Meu quarto estava limpo e arrumado como nunca. E melhor, do meu jeito. É bom empregar um tempinho arrumando as suas coisas, no seu tempo, no seu gosto, da forma que você achar melhor. Me fez um bem danado e me senti no controle do ambiente em que eu durmo e organizo as  minhas ideias.

Organizei meu celular também. Saí de vários grupos de whatsapp, organizei as pastas de imagens, arrumei os contatos, fiz backup de fotos sem antes apagar um monte de coisas que já não faziam mais sentido de estarem ali.


Uma foto publicada por Cami Rocha (@crioladoida) em

Depois limpei meu feed do Instagram e foi por isso que decidi escrever esse post. Não sou muito de seguir celebridades no Instagram e Snapchat, sou tão bombardeada com a vida dessas pessoas, indo atrás ou não. Mas eu amava seguir blogueira de moda consumo. Eu seguia várias. Assistindo o dia-a-dia delas de camarote, a viagem pra França nos hotéis superluxo com motorista particular, os “mimos” das marcas, cabeleireiro e maquiador a disposição 24 horas/7 dias da semana. Sem contar as festas em lugares maravilhosos com a ~nata da sociedade, sem problemas, tudo flash e carão no instagram.

Assistir aquela realidade, que não condiz nem um pouco com a minha, me fazia questionar muitas coisas. Tava me dando a impressão que a minha vida era uma merda, aquela falsa impressão que precisava de coisas que realmente não preciso. Assistir, ainda deitada na minha cama, tal blogueira tomar café da manhã com 15 tipos de frutas e bolos, toda a Nutella à disposição, com vista para os Alpes ou qualquer lugar paradisíaco, me fazia questionar duramente o café pilão da minha dispensa. Por mais que eu ame calçar minhas pantufas e preparar meu café preto, com a Jade nos meus calcanhares esfregando o brinquedinho querendo brincar. Eu amo isso! E mesmo assim, ficava pensando em ciclano que tá em Vegas e eu aqui, em Pirituba. O que eu fiz de errado? NADA! 

Café preto + Jade = amor. 

Não é que o blogueiro esteja errado ou que eu tenha trabalhado de menos e ele muito maisO tempo todo estão me querendo vender uma vida que não é minha, me fazendo querer comprar coisas que não preciso, achar que sou fracassada porque não estou fazendo uma viagem incrível para Tailândia (patrocinada por sei lá quem).

Eu sempre dei valor as minhas coisas, sou eternamente grata a minha família e amigos, as oportunidades que estão aparecendo. Entendo esse momento de transição que estou passando e que não está sendo fácil (mas poderia ser bem pior!) e, mesmo assim, estava questionando todas as coisas boas por causa de gente bebendo Moet & Chandon no gargalo no Coachella.  

Quando um blogueiro coloca “lifestyle” em sua biografia, ele quer dizer o que com isso? É uma pergunta legítima. O lifestyle dele é o certo e o meu não? O que raio quer dizer ESTILO DE VIDA? Qual estilo? O meu, o seu, da Thassia Naves ou Hugo Gloss?

A limpeza no armário e nas redes sociais foi um sucesso. As pessoas tem o direito de vender o que dizer, eu tenho direito de optar em fazer parte da audiência ou não. Ainda estou seguindo bloggers sim, são pessoas que acho que ainda agregam algo de bom, não é só consumo, são ideias

Não fique achando que sua vida é uma bosta por causa de foto bonita de celebridade no Instagram ou festa ba-ba-do sendo transmitida no Snapchat. Reúna seus amigos, arrume suas roupas, transe com seu namorado, faça a sua maratona no Netflix, estabilize suas metas e vá em frente. Aproveite as coisas que você tem. Cada um tem seu ritmo e seu caminho.  A grama da celebridade pode parecer mais verde que a sua, mas na maioria das vezes é o filtro do instagram e um ângulo bom

10 comentários:

Carlinha Salgueiro disse...

Camies, sua linda,

Bom ler isto e ver que não estamos sozinhas quando nos questionamos o quão ~merda somos, o quão ~merda conquistamos vendo os 30 anos indo embora, enquanto umas de 20 anos tão ai em Cannes.

A maturidade traz alguma sabedoria em entender que cada um está onde deveria estar...

Ainda assim, não deixa de ser foda quando passamos (num desatino) a só nos comparar só com um tipo de gente (do highsociety).

Vivo fazendo estes questionamentos, mas enfim, ver coisa bonita alegra o dia a dia (minha justificativa pra ainda seguir algumas bloggers), sonhar também, mas ver a vida real de vez em quando, ah, como é bom!

Obrigada por este toque de realidade deste texto!

Ah, preciso arrumar meu quarto!

Beijos!

Lya disse...

corretíssima, cami.
é o famoso, e quando a internet cai, você é o que?

Karina disse...

Só tenho uma coisa a dizer: OBRIGADA pelo seu post! xD

Karina disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Talita disse...

Vim pelo compartilhamento da Helena do Garotas Rosa Choque e adorei o texto. As vezes me pego com o mesmo pensamento que o seu, mas ultimamente na maior parte do tempo, tenho ficado feliz em observar esse "lifestyle" modelado para ser desejado por todos e ficar satisfeita com a minha vida!
vivemos de pequenas vitórias, cada um com as suas! :)

Giulliana Victor Harte disse...

Acredito e muito que limpezas como essas são necessárias e que vale muito mais o seu café pilão, ou seu arroz com cenoura e pimentão (fiquei com água na boca),do que um Starbucks ou um almoço 5 estrelas!! ❤❤❤
Mais uma vez, Parabéns!!!

Unknown disse...

Eu realmente estava precisando ler isso. Estou passando pelo puerperio e anda sendo difícil achando que não vou conseguir e tals ler isso ajudou muito obrigada ❤❤❤❤

ClaudiaRenata disse...

Obrigada por escrever isso!! ���� sou do time "a grama do vizinho sempre é + verde" e "a rainha da comparação"

Filipe Patriani disse...

Marida, como te disse no Snapchat, QUE POST MARAVILHOSO! E as coisas que você descreveu se relacionaram muito a uma série de reflexões que fiz nessa semana.

*INÍCIO DO TEXTÃO*

Faço parte de um grupo de Whatsapp de amigos e uma delas colocou essa semana algo assim: "eu vejo essa galera do Snapchat e sinto que a crise é só para mim". Claro que depois rolaram piadas e uns comentariozinhos maldosos, mas qual era o verdadeiro significado dessa afirmação? Essa pessoa se sente uma merda porque não está viajando para um lugar incrível, tomando o café-da-manhã com a vista incrível para os alpes, não está frequentando a festa incrível de x ou y, enfim, não está tendo esse "lifestyle incrível". E depois eu também percebi que me EU sinto um merda por não ter uma vida assim, e muitas pessoas ao meu redor também.

Isso me fez pensar no quanto a gente se permite sofrer por coisas que NÃO temos e que, por mais legais que possam ser, não nos fazem falta. Afinal, a gente não passa fome porque não está viajando para os Estados Unidos e nem fica doente porque não tem aquela nova "base incrível" da MAC.

Acho que isso está perpetuando uma verdadeira cultura de inveja, principalmente nas pessoas da nossa faixa etária. Sabe aquela teoria de que as pessoas acreditam que a magreza é uma condicionante da felicidade, e que as pessoas devem se acabar para conquistá-la, aí uma pessoa gorda, feliz e bem-resolvida causa o maior alvoroço, porque está supostamente "trapaceando" o caminho da felicidade? Acho que isso está acontecendo. Esse "lifestyle incrível" é vendido como a fórmula da felicidade, e se você não o tem, precisa dar um jeito de resolver sua vida e ganhar um puta salário porque só assim você será feliz.

Aí isso me leva a outro problema: com mais pessoas vivendo vidas """"de merda"""" e sentindo aquela pontadinha ocasional de inveja daquela blogueira/youtuber, as empresas percebem esse comportamento e começam a patrocinar esses "digital influencers" cada vez mais, bancam suas viagens, dão seus produtos em troca do jabá, e por que? Para que as pessoas com vidas """"de merda"""" deem seu jeito para adquirirem aquelas coisas e gerarem lucros às empresas. Além disso, tem o "endeusamento" dessas pessoas, mas esse não é o foco desse textão haha.

O "lifestyle incrível" depende de milhares de pessoas sentindo que tem uma vida """"de merda"""""" para que seja válido. E sinceramente, isso é uma coisa muito feia, muito triste. Porque isso faz com que nós não demos valor ao que temos e às verdadeiras alegrias do nosso cotidiano e - pior ainda - menosprezemos as nossas conquistas. Faz você questionar o seu café Pilão no café-da-manhã. A gente precisa cortar esses pensamentos.

*FIM DO TEXTÃO*

Você está certa em parar de seguir essas pessoas, todo mundo deveria fazer o mesmo. E arrumar seus quartos (coisa que ainda não fiz nesse ano mauahuhaa).

Juliana Vieira disse...

Camies, como foi bom ler isso. ando numa vibe meio ruim. Vários acontecimentos ruins aconteceram nos últimos tempos e eu ando bem rpa baixo. Meu armário e estantes andam um caos e eu sem vontade nenhuma de viver. Estava pensando em organizar as coisas e até comecei a fazer isso hoje. Mas ainda me sentia fatigada e sem ânimo. Daí leio esse post e começo a ver sentido nas coisas. Não sei se vai resolver tudo, mas será o primeiro passo [pra voltar a viver feliz com o que sou e tenho! Muito obrigada! Bjus