22 de fevereiro de 2016

O Estranho Caso dos Braços de Fora

Eu sempre tive problema em aceitar o tamanho dos meus braços. Sempre tive muita vergonha de colocar os braços pra fora. Não me lembro de houve um episódio específico, mas a neura do braço gordo me acompanhou por anos. BRAÇO GORDO DE FORA NÃO DÁ.
Sempre gostei de vestido e saia. Mas nunca usava vestido porque me sentia um botijão de gás com capa. Saia nem pensar, porque quem tem coxa grossa não pode saia. Quando se é gorda existem regras básicas da moda que você JAMAIS pode PENSAR em desobedecer:
- não pode usar roupa branca;
- não pode usar saia curta;
- não pode biquíni.


Eu obedeci essas regras que me foram impostas durante anos. E caguei muita regra também, lógico! Já passei alguns verões de manga cumprida e de jeans na praia. No máximo uma bermuda cobrisse os joelhos. A calça legging preta sempre foi minha melhor amiga. Esses dias estava procurando uma foto em meu instagram e percebi que ultimamente eu tenho ficado mais com os braços de fora. Eu fiquei WOW NÃO TINHA REPARADO NISSO! Pra quem nunca teve complexo com o corpo, essa história é pura bobagem. Puro """MIMIMI""".  


Já escutei história de gorda que não dançava, gorda que não namorava, gorda que não usava roupas coloridas e outras tantas gordas que não colocavam os braços de fora. É muito triste isso, ir numa festa e não dançar, passar calor porque tem vergonha do braço gordo. Todo um pânico e medo de virar piada “olha lá a gorda com a barriga de fora”, “olha lá a gorda achando que pode dançar”.


A comunidade feminista na internet me ajudou muito a desconstruir essas e outras regras que eu tinha fixado em minha cabeça. Gorda pode branco, pode biquíni, pode top cropped. O corpo gordo pode tudo sim. Cada dia me sinto mais à vontade comigo mesma. Tanto é que comecei a sair com os braços de fora naturalmente. Foda-se se o braço é gordo, se balança demais, este é o meu corpo. 


primeira vez que vesti uma minissaia, depois de adulta, foi em um momento da minha vida que estava em meu maior peso. Eu me sentia flawless. Toda vez que eu coloco aquela saia, eu penso “por que fiquei tanto tempo me privando disso?”. É um processo longo, não foi de um dia para o outro, mas quando você começa a se entender é simplesmente maravilhoso. Até os comentários nas minhas fotos mudaram de uns tempos pra cá. “Nossa, mas você fez alguma coisa?”. Sim e não. Não, não mudei o cabelo, não fiz nenhum tratamento estético. Sim, agora eu estou me amando mais.


E eu vou fazer quantos textões forem necessários para ajudar as minhas outras amigas, gordas ou magras, altas ou baixas, que elas podem vestir e ser o que quiserem. Coloquem os braços de fora. Vista o que quiser vestir. Use o batom que quiser usar. Julgue menos


4 comentários:

Ana Carô disse...

Você e seus textos TÃO BONS! <3
É isso aí, Camies. A gente se amar como é faz não ligarmos pra tanta regra que os outros tentam impor na gente.

Fernanda disse...

Uma força e tanto!Eu também aprendi depois de tantos e tantos anos. De uns tempos pra cá uso sim biquini, uso sim saia, uso sim vestido e uso sim regatinhas!!Como é bom se amar!!
Beijo

Gi disse...

Camies, vc é linda e tem um empoderamento que está se "amostrando" cada dia mais!!! Estou só olhando e sou sua admiradora!!!
Também vivo nessa luta interna.. dias melhores e dias piores, mas um dia vencerei!

Bjus enormes!!!

Cris Albu disse...

É isso! Meus braços são imensos, grossos, flácidos...enchi de tatuagens, fim...nunca me provei de vestir o que quero, sofro muita perseguição e gozação, mas danem-se os outros, os julgadores...sabe, parece bobeira pensar isso, mas o importante é que eu tenho braços, sem querer ser melhor do que os que não tem, claro, mas me valorizando hahahaha! E você é linda, Camies, gata e inteligente, realmente uma fusão bombástica, e seus braços são lindos de pessoa jovem, mostra muitoooo!