23 de janeiro de 2014

Nem toda "princesa" precisa ser "salva"

Eu sou uma pessoa romântica e que acredita no Amor. Até mais do que eu gostaria. E ao longo dos anos, livros, desenhos da Disney e comédias românticas, esses meus valores ficaram deturpados. Exagerados, digamos assim. Sabe aquela música do Jota Quest “Queroum amor maior, um amor maior que eu”, essa sou eu aos 19 anos de idade.
Quase toda uma vida pensando em realmente encontrar o príncipe encantado, que apareceria e OMG, faria da minha vida mais colorida. Um raio de sol em um dia nublado, o arco-íris depois de uma tempestade. Alguém que me resgatasse e tudo ficaria lindo e mágico. Tipo isso, sabe? Nisso, 27 anos se passaram. E até agora nenhum príncipe encantado.



Outro dia estava mimizando sobre alguma coisa da minha vida amorosa, daí o Pira me olhou daquele jeito dele sagaz e disse “CAMI, VOCÊ NUNCA TEVE UM NAMORADO PORQUE VOCÊ NÃO QUIS”. PÁÁÁÁ. Direto e reto.

Euzinha enfrentando as verdades 

Eu fiquei muito tempo pensando nisso. E não é que é verdade? Eu nunca quis, de verdade. Quando aparecia a menor possibilidade, tipo, menor mesmo, eu sempre corria pro lado inverso. Me achando gordafeiamonstrohorrivelsocorrow, ou achando que não era merecedora (?), ou porque simplesmente não. Eu não queria mesmo. Lá no fundo.
De onde eu tirei aquela coisa de que eu precisava ser salva? De quem, meu Deus? Só se for de mim mesma e das coisas que fiquei sonhando acordada durante uns bons anos, das expectativas hollywoodianas e dos comerciais de televisão.  
Mas daí, ~deixa acontecer naturalmenteeeee haha. Foi bom perceber que nunca precisei de um relacionamento amoroso pra ser feliz. Olhei lá pra trás e percebi que há tempos deixei de viver pra isso, na procura de alguém que não existia. Ou melhor, que existia só na minha imaginação. A gente pode ser feliz solteira, por mais incrível que isso pareça. Não estou aqui defendendo a ideia de que ser solteiro é melhor, até porque isso é ridículo. Cada lado tem suas vantagens, e, principalmente, cada um tem que viver a sua vida e esquecer um pouco da grama verde do vizinho. Nem toda mulher precisa ser salva. Nem toda mulher precisa de um homem, ou de outra mulher, enfim, de outra pessoa, pra se sentir completa. É claro, ter alguém (imagino eu) é sempre bom, mas, não ter não é o fim do mundo. Eu não preciso ser salva de nada. O único perigo sempre foi eu mesma, achando mil coisas e me colocando mil defeitos e exagerando mais ainda as minhas imperfeições.
Tem meninas/mulheres/gatas-garotas que se ofendem, que fica mal pra caramba (mesmo!) de estar solteira, de não ter um "Mozão". Aquele pânico nas festas de família com a pergunta E OS NAMORADINHOS. Sério, se liberta disso aí. Coisas que eu não compreendia aos 17 anos, passei a entender melhor aos 23. Coisas que eu achava que seria impossível aos 24, hoje, aos 27 anos, eu faço tranquilamente e compreendo bem melhor. Eu tenho saudade de 2006, mas, estou me amando muito mais agora. E isso é maravilhoso haha.
Às vezes a gente precisa ser salva de si mesma, de se resgatar e de entender as nossas escolhas e simplesmente viver a vida e deixar rolar. Se rolar um grande amor, ou vários!, que venha. Mas se não acontecer, não aconteceu, e não é por isso que sou mais infeliz ou solitária. Solitária é uma coisa que nunca fui.

Me and my grls di-van-do

3 comentários:

Nadja Pereira disse...

Concordo plenamente e me sinto melhor assim.

Mayra disse...

Esse ano estou sentindo que vai ser grande pra você, minha amiga. Sua vibração está PURO PODER.

Te amo.

PS: Estou farta de ser salva, agora eu me viro hahahaha

Natália disse...

Olha, companheira de guerra, mesmo caso eu com 28 anos. Esperei tanto alguém que me assumisse como namorada até que aconteceu ano passado e... foi uma bosta. Terminamos depois de 2 meses por n coisas. Na verdade, como diz minha irmã, eu nem era pra ter aceito pq nao o conhecia direito e se esperasse mais um pouco não seria namoro. Desde então tenho procurado ficar mais em paz e focando no trabalho. Amor, quem sabe um dia? Se valer a pena...