19 de novembro de 2012

Sentir saudades de uma pessoa que já morreu é tipo o mar. As vezes você tá por ali, caminhando na praia,  dai a saudade vem e molha seus pés e você da risada, lembra de uma porção de coisas boas e continua caminhando. Continua a fazer as suas coisas, com os pés molhados, mas continua. Tem dias que você fica boiando, você sabe que ela está ali, você sente a água cobrindo os ouvidos mas consegue manter o equilíbrio das coisas. Tem dias que o mar está parecendo uma lagoa, sem ondas, bem calmo. Você mergulha e se sente em paz, aceita. E tem dias que a onda vem e te arrasta com tudo. Você tenta emergir, quando você pega o fôlego a onda vem de novo. Você roda duzentas vezes dentro da água. Não sabe se tá subindo ou se tá afundando mais ainda. 
Esse último mês tem sido mais como uma onda atrás da outra. Tô cansada de ficar subindo e tomando água na cara toda hora. Tá insuportável. Tamo aqui nadando, esperando essa ressaca passar. Mas tô cansada de verdade. Eu estou bem, mas saudade é uma coisa que puta que pariu, véi